Onde a realidade se encontra com a ficção

 

 


A partir do prefácio, é possível tomar conhecimento do passado obscuro e do universo familiar de Matt, o protagonista. Este homem vive atormentado pelos seus fantasmas familiares, nomeadamente, pela Grande Tristeza, consequência do rapto da sua filha mais nova. Os primeiros capítulos debruçam-se, precisamente, sobre esta desventura.

Trata-se de um episódio emocionante e até perturbador, que retrata alguns dos mais profundos valores humanos, ao qual não pude passar indiferente. Associado a isso está o estilo, bastante cativante, o que me levou a não dar pelo passar das páginas.

Depois disso há uma viragem na narrativa, que se torna mais onírica, devido à focalização em Deus e na espiritualidade. E aqui devo fazer notar as minhas descrenças e agnosticismo, pois não consegui, de todo, deixar de considerar algumas observações sobre Deus palavreado para irracionais. Note-se: o escritor tem uma escrita consistente e a história narrada pode tocar os corações dos que têm uma grande fé. Porém, acho que a ambiguidade sobre as figuras divinas mantém-se, o que é frustrante.

À medida que a história evolui, surgem metáforas que remetem para a espiritualidade e a auto-ajuda. Nesse sentido, o protagonista coloca questões pertinentes e traz a discussão interessantes temas teológicos, mas como é usual neste tipo de literatura, o leitor nunca obtém uma resposta satisfatória - ou melhor, nunca obtém uma efectiva conclusão e por isso não me satisfiz. É que, na minha perspectiva – eventualmente ateia - ler a obra com espírito crítico resulta numa de duas consequências: ou nos tornamos verdadeiros ateus; ou lemos tudo como ficção e mitologia.

É que – e quase num desabafo ideológico – algumas passagens mostram contradições comuns e ridículas acerca de Deus, que por vezes é arrogante e incoerente. Acima de tudo, não tolero a ideia de que não precisemos de conhecer os desígnios da divindade, de que basta aceitá-los.

Ainda assim, a obra alerta para alguns paradigmas humanos interessantes, oportunos e relevantes, por isso faz-nos reflectir. E como a história demonstra, é importante parar para reflectir sobre o nosso modo de vida.

De uma forma geral, trata-se de um livro que de uma ou outra maneira nos influencia espiritualmente e nos leva a reflectir acerca da humanidade e das bases da nossa sociedade. É uma narrativa muito fluida, com surpresas e episódios muitíssimo bem delineados. Como já referi, cada página obriga-nos a ler a seguinte; e fi-lo com prazer.

Compreendo o sucesso da obra nos EUA e no Brasil, mas, sinceramente, creio que o enredo não se ajusta ou adequa tão harmoniosamente à mentalidade europeia. Apesar disso, tem tudo para ser um sucesso de temporada.

É uma obra para ler e sobre a qual reflectir

publicado por Dreamer às 17:12 | link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
15
17
18
19
20
22
25
26
27
28
29
31
comentários recentes
Gostei da forma como integrou dois dos meus textos...
Ao ler este texto, bem como mais alguns que tive o...
Eu acho que se pode amar um vício, desde que ele n...
Somos dois...Deixei de acreditar...
Por acaso não acredito no "Para sempre"
Gosto de pensar que no fim tudo dá certo, que se a...
Há portas que têm mesmo de fechar, mas por vezes f...
arquivos
Posts mais comentados
2 comentários
1 comentário
1 comentário
blogs SAPO