Onde a realidade se encontra com a ficção
Um coração dividido entre dois mundos.Numa pacata vila de pescadores da Nova Inglaterra, Charlie St. Cloud cuida de um antigo cemitério onde o seu irmão mais jovem, Sam, está enterrado. Após sobreviver ao acidente de carro que tirou a vida de seu irmão, Charlie recebe um dom extraordinário: ele consegue ver, conversar e até mesmo brincar com o espírito de Sam. É neste mundo místico que entra Tess Carroll, uma cativante mulher treinando para navegar sozinha ao redor do mundo num veleiro. O destino faz com que seu barco seja apanhado por uma violenta tempestade, trazendo-a assim para a vida de Charlie. A sua bela e incomum ligação os leva a uma corrida contra o tempo e a uma escolha entre a vida e a morte, entre o passado e o futuro, entre apegar-se ou deixar o passado para trás – e a descoberta que milagres podem acontecer se nós simplesmente abrirmos nossos corações.
 
O autor escreve tudo com tantos detalhes e a forma com que ele escreve, principalmente o prólogo e o epílogo, faz o leitor refletir e perceber que esta é a realidade e, sem dúvidas, o autor acaba por nos ensinar muitas lições. Acabei percebendo que mesmo tentando lidar com o sentimento de perda muitas vezes só acabamos piorando as coisas. E acho que este é o ponto forte do livro. O autor não fala o que é certo e o que é errado até porque cada pessoa lida com a morte de maneiras diferentes, mas faz-nos entender o que isto significa, mostra as consequências e tudo mais. E é exactamente sobre isso que o livro fala. A vida de Charlie St. Cloud gira em torno do seu irmão morto Sam e ele perde tantos anos por causa disso.
Não vou contar muito sobre o que acontece porque este é o tipo de livro que é bom para se surpreender. Os personagens são tão reais e é impossível não se familiarizar e sofrer juntamente com eles. O sentimento de irmandade entre o Charlie e o Sam é tão bonito mas ao mesmo tempo é o motivo que rouba tantos anos da vida de Charlie. E depois tem o amor de Charlie por Tess e a decisão sobre quem deve escolher.
Leiam sem ter visto o filme. Leiam devagar, sentindo a vida de Charlie juntamente com os seus problemas. É uma linda história que com certeza vale a pena ser lida.
publicado por Dreamer às 19:00 | link do post
publicado por Dreamer às 18:50 | link do post
 
Um homem de sorte é mais um romance incrível do Nicholas Sparks. Gosto do estilo de escrita do Nicholas e, apesar das cenas tristes, aprecio a narrativa dele assim como sua criatividade. Então, é claro que estava ansioso para ler esse livro. E, apesar de não ser o meu preferido deste autor, com certeza vale a pena ler.
Tenho que admitir que demorei mais do que esperava. Talvez pelo facto de o início ser lento demais, e meio enrolado. E, por ter três ponto de vista – Beth, Thibault e Clayton – achei que ficou confuso no começo. Mas isso era de se esperar até porque eu tinha acabado de conhecer os personagens.
Acredito que a escolha de vários pontos de vista foi bem adequada para este romance. Mesmo sem ter tantos personagens, sem o ponto de vista dos três principais seria difícil fazer as conexões de familiaridade e tudo mais. É clássico do Nicholas esconder factos no começo, mas com o desenrolar da história, alguns segredos e informações importantes para a compreensão vão sendo revelados aos poucos. Acho que isso é o que mais gosto nos livros do Nicholas. Ele sabe dosar as informações reveladas.
Porém, apesar de a narrativa ter fluido depois de alguns capítulos, ainda não fiquei muito convencido da história. O Keith Clayton que é o vilão da , foi o único personagem que desde o início me convenceu. A personalidade dele não muda ao decorrer dos capítulos. Já a Beth... foi uma tristeza. Mesmo sendo uma personagem adulta, Beth não tem uma personalidade marcante, única. Ela varia de humor muito rapidamente e em alguns momentos se mostrou a típica personagem afectada e impulsiva. Por outro lado, Logan Thibault  era o rapaz inteligente mas que se fechava demais para os outros. É justamente por ele ter essa personalidade que os segredos continuam até perto do final e que fazem da história o que ela é, mas, na minha opinião, não acho que concordo com as atitudes dele.
Não senti que ficou faltando alguma coisa, só sei que o desenrolar não foi o que eu esperava.
publicado por Dreamer às 13:54 | link do post

 

Quando criança, a pianista Júlia Forrester passava seu tempo na estufa da propriedade de Wharton Park, onde flores exóticas cultivadas pelo seu avô nasciam e morriam com as estações.
Agora, recuperando-se de uma tragédia na família, ela busca mais uma vez o conforto de Wharton Park, recém-herdada por Kit Crawford, um homem carismático que também tem uma história triste. No entanto, quando um antigo diário é encontrado durante uma reforma, os dois procuram a avó de Júlia para descobrirem a verdade sobre o romance que destruiu o futuro de Wharton Park...
E, assim, Júlia é levada de volta no tempo, para o mundo de Olívia e Harry Crawford, um jovem casal separado cruelmente pela Segunda Guerra Mundial, cujo frágil casamento estava destinado a afetar a felicidade de muitas gerações, inclusive da de Júlia.

publicado por Dreamer às 15:35 | link do post

 

 

Henry sofre de um distúrbio genético raro. De tempos em tempos, o seu relógio biológico dá uma volta para a frente ou para trás, e ele viaja no tempo,levado a momentos emocionalmente importantes de sua vida tanto no passado quanto no futuro. Causados por acontecimentos estressantes, os deslocamentos são imprevisíveis e Henry é incapaz de controlá-los. A cada viagem, ele tem uma idade diferente e precisa se readaptar mais uma vez à própria vida. E Clare, para quem o tempo passa normalmente, tem de aprender a conviver com a ausência de Henry e com o caráter inusitado da sua relação.
O livro inicia com Clare ansiosa "conhecendo" Henry na biblioteca onde ele trabalha. Assim que o vê fica super empolgada e convida-o para jantar. Ele fica desconfiado... "será que ela me conhece de alguma outra
época?"
A resposta é sim, mas ele ainda não sabe disso.Henry é portador de um distúrbio genético que o faz viajar no
tempo. Ele pode estar no presente, bem como acordar em 1977 ou em 2001.
Numa dessas suas viagens ele conhece Clare, que tinha apenas 6 anos de idade. A partir daí, as suas vidas ficam ligadas para
sempre.
O início do livro é um pouco confuso, pois ainda não estamos acostumados com a vida peculiar do personagem. Num momento diz que ele está com 26 anos em 1990 e, em seguida, diz que ele está com 41 anos em 1992... Mas, com o passar os capítulos, tudo começa a fazer sentido e entramos cada vez mais no estranho mundo de Henry.
A autora escreve maravilhosamente bem! E o romance é de tirar o fôlego!
Os personagens são profundos e a história é emocionante.
A Mulher do Viajante no Tempo é exactamento assim. Conhecemos Clare e Henry crianças e, aos poucos, vai-se sabendo tudo das suas vidas até á velhice.
A autora descreve super bem todas as etapas da vida dos personagens... a infância, a adolescência, a idade adulta, as dificuldades de um casamento, as amizades, os problemas que eles têm que enfrentar devido ao distúrbio de Henry, etc.
Um facto curioso é que conforme se vai lendo a história, várias coisas vão ficando em aberto. Mas, quando vamos chegando ao fim, tudo começa a se encaixar como se fosse um quebra-cabeça perfeito! A autora conseguiu atar todas as pontas, não deixou nada de fora.
O final é lindo !
Todos falam super bem das obras do Nicholas Sparks, que eu também adoro... Mas, vou dizer uma coisa... Ele nunca conseguiu emocionar-me
como a Audrey Niffenegger conseguiu.
Enfim, se queres aumentar a tua lista de livros favoritos, lê este o quanto antes!! É um dos livros mais perfeitos que já li!!!
publicado por Dreamer às 10:23 | link do post

 

Vamos à sinopse:

Vestido de preto da cabeça aos pés e com a aparência de alguém sempre pronto para ir a um funeral, Jeremy Marsh reflete em seu estilo uma forte vocação para encarar a vida de uma forma racional. Badalado pela comunicação social, respeitado pela comunidade científica, aos 37 anos o jornalista assina uma coluna na prestigiosa revista Scientific American. A saída que Jeremy encontra para exorcizar o fantasma de um casamento desfeito é negar a existência de outros tipos de fantasmas: aqueles que arrastam correntes e aparecem sob lençóis.
O seu trabalho como freelancer já o fez viajar pelo mundo à procura de lendas urbanas como a do monstro
de Loch Ness. Por isso, não se surpreende ao receber a carta de Dori McClellan, uma senhora com poderes divinatórios que o convida a investigar as misteriosas luzes de Cedar Creek, um antigo cemitério de escravos que teria sido alvo de uma maldição.
Jeremy deixa Nova Iorque e parte em direção ao sul dos Estados Unidos. Essa é a terra da sofrida Lexie Darnell - alguém que longe de ser uma rapariga ingênua do interior. Mas será que um forte sentimento pode ultrapassar as fronteiras que separam a fé da descrença?

 

O Milagre é sobre Jeremy, um jornalista científico (do tipo investigador de eventos paranormais), que mora em Nova Iorque e vai para uma pequena cidade no sul dos EUA fazer uma matéria sobre umas misteriosas luzes em um cemitério.
Na cidade, Jeremy conhece Lexie Dernell, uma bibliotecária, de 31 anos, que começa a conquistá-lo.
No entanto, Lexie não é nada parva... Já está “vacinada” contra homens do tipo de Jeremy.

Paralelamente ao romance de Jeremy e Lexie, também há os personagens secundários que são admiráveis! Doris McClellan (a vidente da cidade e avó de Lexie), Rachel (amiga de infância de Lexie), Rodney (um polícia apaixonado por Lexie).
Eu simplesmente consegui-me transportar completamente para Cedar Creek.  Além disso, como sou apaixonado por cidades no meio à natureza,e deliciei-me com a trama e com os detalhes do Nicholas Sparks.
Com o passar da história, o leitor vai conhecendo um pouco mais de cada um dos personagens e fica a torcer por um
final feliz. O que acontece no fim eu não posso dizer. Só posso dizer que foi um final bonito.
Simplesmente agarrei-me ao livro! Li em três dias e fiquei com saudades quando a história chegou ao
fim
.

Enfim, este é um livro muito bom que vale a pena ser lido!


 

publicado por Dreamer às 18:48 | link do post

 

 

Mais um livro fascinante... Nicholas Sparks tem o dom de nos fazer mergulhar nas suas histórias fascinantes, que nos prendem ao mundo imaginário que por vezes confundimos com a realidade...

É verdade, quem ama acredita e por vezes acredita tanto que parece que o Ser que está do outro lado nos cega e nos faz viver em função dele próprio...

Tal como digo, não vivo na solidão, tenho os livros como companhia

publicado por Dreamer às 19:55 | link do post
 
 

A Psicologia Criminal, também conhecida po Psicologia Forense ou Psicologia Judiciária, consiste na aplicação dos conhecimentos psicológicos ao serviço do direito. Dedica-se à protecção da sociedade e à defesa dos direitos do cidadão, através da perspectiva psicológica.
Este ramo da psicologia restringe-se às situações que se apresentam nos tribunais. Deste modo, a psicologia criminal, são todos os casos psicológicos que podem surgir em contexto de tribunal. Dedica-se ao estudo do comportamento criminoso.
Clinicamente, tenta construir o percurso de vida do indivíduo criminoso e todos os processos psicológicos que o possam ter conduzido à criminalidade,tentando descobrir a raíz do problema, uma vez que só assim se pode partir à descoberta da solução. Descobrindo as causas das desordens tanto mentais como comportamentais (criminosas, neste caso), também se pode determinar uma pena justa, tendo em conta que estes casos são muito particulares e assim devem ser tratados em Tribunal.
Esta ciência nasceu da necessidade de legislação apropriada para os casos dos indivíduos considerados doentes mentais e que tenham cometido actos criminosos, pequenos ou graves delitos. A doença mental tem de ser encarada a partir de uma perspectiva clínica mas também do ponto de
vista jurídico.
Um psicólogo formado nesta área tem que dominar os conhecimentos que dizem respeito à psicologia em si, mas também tem que dominar
os conhecimentos referentes às leis civis e às leis criminais. Deve ser um bom clínico e possuir um conhecimento pormenorizado da psicopatologia. Podem-se encontrar peritos nesta área em instituições hospitalares, especialmente do tipo
psiquiátrico.
A psicologia criminal realiza estudos psicológicos de alguns dos tipos mais comuns de delinquentes e dos criminosos em geral, como por
exemplo, dos psicopatas que ficaram na história. De facto, a investigação psicológica desta área da psicologia apresenta, sobretudo, trabalhos sobre
homicídios e crimes sexuais, talvez devido à sua índole grave e fascinante.

publicado por Dreamer às 20:57 | link do post

Cover brilhante...

 

 

publicado por Dreamer às 15:36 | link do post

 

 




Um livro, uma mensagem encriptada nas  palavras, uma imagem da actualidade,  uma lição de vida em cada passo da  história destes 2 personagens, Savannah e John. Uma história de Amor entre dois  seres com estilos de vida muito diferentes que se cruzam num momento inesperado,  e que sem se aperceberem apaixonam-se á medida que se vão conhecendo. John, um  jovem incompreendido, sem uma figura paternal consistente que o ajude a  ultrapassar os medos, as dúvidas e incertezas típicas de um adolescente, um  jovem desinteressado pela vida e pelo que esta tem para lhe oferecer, vive os  seus dias como se não houvesse amanha, sem um objectivo. Até que um dia, e na  expectativa de que no futuro o pai possa sentir orgulho nele e julgando ser essa  a melhor forma de crescer como pessoa, como homem, ingressa na carreira militar.  Savannah por seu lado, é uma jovem interessada pela vida e em ajudar os que  precisam, com um percurso escolar exemplar e querida por seus amigos, mas com um  segredo, na sua vida ainda tenra, que deixou marcas profundas na sua  personalidade.Os dois, apesar de muito diferentes, encaixam na perfeição,  não é por acaso que os opostos se atraem. Ele traz para a vida de Savannah um  pouco da aventura que é a vida dele, e Savannah dá-lhe a conhecer um lado da  vida mais sério que ele ignorava existir. Descobrem-se e ajudam-se mutuamente,  contam segredos e medos, ultrapassam barreiras.Com Savannah a seu lado, John  pôde compreender que o desinteresse do seu pai pela sua vida, advinha do facto  de ser portador de uma doença do cérebro degenerativa que o obrigava a ser  metódico, sem assunto para falar sem ser a sua paixão pela colecção de moedas,  aprendeu a amar e compreender seu pai.Com John, Savannah encontrou o Amor, a  nível emocional e físico, de uma forma que julgou não vir a poder encontrar  depois de quase ter sido obrigada a ter relações sexuais á força aquando do  baile da escola.Mas nem tudo é um mar de Rosas. John tem de voltar ao  exército e Savannah á sua rotina diária.Prometem esperar um pelo outro, até John  conseguir uma transferência para ficar perto de Savannah.




Trocam cartas,  telefonemas, juras de amor eterno. Mas a distância foi madrasta com este amor.Quando estava quase a voltar para Savannah, dá-se o infeliz acidente do  11 de Setembro, e tudo entre eles desmoronou-se tal como as torres. Ele não  voltaria tão cedo pois havia sido destacado para o Iraque, e ela precisava de  continuar com a sua vida. Uma última carta traz o fim desta história de amor e o  indício de que nada voltaria a ser como antes. Savannah havia encontrado outro  amor.Anos mais tarde, Jonh volta para enterrar o pai, e de uma certa forma  para desenterrar aquele amor que se tinha refugiado nos escaninhos da sua  consciência e do seu coração. Savannah casara-se com um amigo de infância, que  havia se tornado também amigo de John. Estava mais madura, mas com a mesma  beleza, com o mesmo brilho. Quando se encontraram pereceberam que nunca tinham  deixado de se amar e que tudo o que viveram permanecera intacto, como uma flor á  espera que o Inverno passasse para desabrochar. A vida de Savannah resumia-se a  cuidar da sua fundação para crianças com deficiência e em cuidar do seu marido  portador de um cancro de pele, uma vida sofrida mas compensadora pelo carinho e  pela pessoa que era o seu marido. Apesar de perceber que tudo entre eles podia  voltar ao que era antes, John não poderia permitir a separação do casal, e entre  ficar com a mulher da sua vida e permitir um resto de uma vida feliz ao seu  amigo, escolhe a segunda.Entre a sobrevivência de um Amor a uma distância e  tempo longos, entre partidas do Destino, tomam-se decisões e escolhas que marcam  a vida. No final da história o Amor acaba sempre por Triunfar.




publicado por Dreamer às 10:41 | link do post
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Fevereiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
14
18
22
24
25
28
29
comentários recentes
Gostei da forma como integrou dois dos meus textos...
Ao ler este texto, bem como mais alguns que tive o...
Eu acho que se pode amar um vício, desde que ele n...
Somos dois...Deixei de acreditar...
Por acaso não acredito no "Para sempre"
Gosto de pensar que no fim tudo dá certo, que se a...
Há portas que têm mesmo de fechar, mas por vezes f...
arquivos
Posts mais comentados
2 comentários
1 comentário
1 comentário
subscrever feeds
SAPO Blogs